will.i.am é capa da revista americana “Fortune Magazine”

O carro de will.i.am está carenando pela Rua 405. A cabina da Tesla eletrônica de seu carro é assustadoramente silenciosa à medida que o veículo desliza as três linhas do estressante trânsito de Los Angeles. O rapper, qual seu nome original é William Adams, estava extremamente atrasado para um voo para o Brasil. Mas não é por esse motivo que ele está agilizando tudo. Ele está tentando traçar seu ponto no tempo de mercado: “Eu quero ser ágil, rápido”, diz.

Provavelmente você deve conhecer will.i.am, mesmo não sendo fã de suas músicas. Seu grupo, o Black Eyed Peas, já vendeu mais de 60 milhões de discos e foi o centro das atenções no Super Bowl de 2011. Suas canções comumente estão no topo das paradas musicais pelo mundo. As músicas de will são tão pegajosas que talvez sempre te deixe cantarolando algumas de suas canções ou do BEP por muito tempo. Como uma estrela pop, ele está além, em um nível “bombástico”. Mas com ajuda de algumas das maiores empresas do mundo, ele cultivou uma reputação totalmente diferente. Se converteu em uma fonte de ideias e conhecimento, se tornando o Diretor de Inovação Criativa da Intel, sendo garoto-propaganda da Coca-Cola e Budweiser. “will.i.am é um visionário” disse o Diretor Executivo da Coca-Cola, Muhtar Kent. “Ele oferece criatividade e possibilidades infinitas”.

Com certeza, will.i.am não é a primeira celebridade a se tornar empresário. Há alguns anos Ashton Kutcher investe em ações do Foursquare e Flipboard. Justin Timberlake é o co-proprietário do MySpace. Até mesmo um dos sites de Kim Kardashian, ShoeDazzle, recebeu mais de 40 milhões de dólares em retorno. “Ele não é nem um investidor exagerado e nem um investidor econômico. O que faz will.i.am diferente no meio destes que você falou é o papel que ele atua. will.i.am é um co-criador – Penso nele como parte da nossa conversação sobre do que é o futuro. Sua vinda é muito valiosa” diz Genevieve Bell, um antropólogo da Intel.

will, como foi dito, é o Diretor de Inovação Criativa da Intel. Mas isso não implicou com que ele aparecesse em anúncios de televisão. O trabalho do will na Intel (ele ainda tem seu Cartão de Acesso de Trabalho para a sede da Intel, em Santa Clara, Califórnia) é gerenciar ideias. Ele tem que sonhar a longo prazo e saber o que os consumidores poderão querer daqui a 10, 20, 50 anos. Brian David Johnson, um futurista da Intel chama carinhosamente ele de “um verdadeiro geek” e disse que sempre tem conversas com ele pelo menos uma vez por mês.

Seu acordo com a Coca-Cola é igualmente pouco convencional. Em 2010, Bea Perez, até então Diretora de Marketing, foi convocada no backstage de um show do Black Eyed Peas em Atlanta. “Eu estava esperando uma proposta tradicional” disse ela. Ao invés disso, will lançou um plano para que Coca-Cola fabricasse produtos com material reciclado.

“Eu sei que vocês tem a infra-estrutura, o que nos falta é o envolvimento do cliente”, will disse a ela e a outros executivos da Coca-Cola. Ele estava falando sua língua. Havia preparado até mesmo sua própria apresentação para expor seu plano à todos. E quando Bea Perez perguntou: “Como é pagaremos à você?”, will respondeu que não se importava, que só queria fazer com que a Coca ajudasse as pessoas reciclarem mais. A gigante de bebidas rapidamente assinou um contrato para a ideia.

Como resultado, foi lançado o conhecido projeto EKOCYCLE, que foi posto em prática em Outubro de 2012 (O nome foi ideia de will.i.am, que também pensou nas primeiras letras do nome do projeto ‘EKOCycle’, porque as quatro primeiras letras, de trás pra frente, formam intencionalmente “COKE”, o nome ‘Coca’ em inglês). Similar à Product Red, que arrecada fundos para combater a AIDS, os produtos EKOCYCLE têm como objetivo promover a reciclagem. Os produtos estão sendo feitos com, no mínimo, 25% de plástico reciclado. Muitas das quais são provenientes de garrafas e latas da Coca-Cola. Cada produto é etiquetado com os números de garrafas que são utilizadas em seu interior. Um fone de ouvido, por exemplo, contém três garrafas recicladas. A marca Levi’s está vendendo jeans do projeto EKOCYCLE e a Case-Mate vende uma capa para iPhone EKOCYCLE nas lojas da Apple. Coca-Cola e will.i.am vão dividir o lucros entre várias instituições de caridade.

“A ideia é criar um produto básico a partir dos produtos sustentáveis” explica will. E parte de sua intenção é de dar a volta por cima na relação tradicional que há entre artistas e empresas. “Eu sou apenas um sonhador, de verdade” disse, sobre seu papel no projeto. “Às vezes isso pode se converter em algo comercial e em outras ocasiões (como nas ideias) são conceitos extravagantes e obscuros.”

will lançou recentemente uma câmera digital, a i.am+ foto.sosho. Em Fevereiro de 2012 ele estava em um navio vendo como tiravam fotos da modelo brasileira Adriana Lima com trajes de banho, quando teve a ideia de dar ao iPhone uma câmera mais potente. Falou com seus amigos da indústria tecnológica, e o produto foi finalizado por ele mesmo, e já em Dezembro estava à venda. O acessório de $325 dólares (aprox. R$660,00), é acoplado à parte traseira do iPhone, melhorando significavelmente a qualidade da câmera interna do smartphone. A aplicação co-desenhada por will.i.am ainda conta com um editor de fotos e uma ferramenta para compartilhar as fotos, uma rede social similar ao Instagram. O gadget foi lançado na loja Selfridges, uma das maiores redes de loja da Inglaterra.

O i.am+ é caro, sim, mas will vem tendo muito êxito vendendo este aparelho. Ele foi o terceiro sócio capital da Beats Electronics, co-fundada pelo rapper Dr. Dre e por Jimmy Lovine, amigos de will. Não é de hoje que will.i.am promove incansavelmente a marca Beats™, a inserindo também até em videoclipes e letras do Black Eyed Peas, no qual a maioria dos consumidores não tinham ideia que ele também participou da criação da empresa (ele diz que está bem com isso, e que deixou passar uma ótima ideia de ter uns modelos dos fones com seu nome). O logotipo da Beats™, a letra “b” minúscula da marca é idêntica à letra “b” minúscula do logo original do Black Eyed Peas, há alguns anos atrás. A empresa tecnológica HTC comprou a parte majoritária da empresa por $309 milhões de dólares em 2011 (a Beats™ voltou a comprar a metade da inversão da HTC em 2012, tendo a posse majoritária da empresa) e will.i.am utilizou uma grande parcela de seu dinheiro como capital investidor para o projeto do aparelho i.am+. Steve Stoute, um expert em marcas e ex-presidente da Interscope Records, sustenta a ideia que “will está ampliando a pegada de como os artistas podem participar com empresas”.

will dá créditos a Shawn Franning por apoiá-lo seu amor à tecnologia. Quando o Napster (um site que disponibilizava músicas e outros arquivos para download de forma gratuita e ilegal, e o qual também disponibilizou o segundo álbum do Black Eyed PeasBridging the Gap” antes de ser lançado) saiu pela primeira vez, will disse que “ao invés de odiar o programa” se converteu em amigo de Fanning, que aconselhou ao músico que “você tem que entender esse mundo digital”. Pronto, will criou o Dipdive, que pretendia ser uma comunidade como o MySpace, para conectar os músicos com as marcas. Hoje em dia está praticamente ‘morto’. Certamente, o accesório do iPhone, também pode falhar. Mas antes de essa possibilidade acontecer, will disse “Bom, então eu fiz algo genial para que eu mesmo use”. Stoute acredita que devido esta câmera seja de sua própria criação, ela traz credibilidade ao will, vendendo ou não. “Ele fica tranquilo com isso, patrocinar produtos é muito diferente de criar um produto. Se will estivesse patrocinando uma câmera que não fosse de sua criação, estaria correndo risco”.

will cresceu em um bairro de classe trabalhadora em Los Angeles e se apaixonou pela música desde muito cedo. Formou seu primeiro grupo A.T.B.A.N Klann (sua sigla representa ‘A Tribe Beyond a Nation’Uma Tribo Além de Uma Nação). Ainda na escola ele firmou um contrato com a Ruthless Records, quando seu contrato fracassou e a banda se viu por baixo, criou o Black Eyed Peas. Finalmente, will se cansou de jogar em espaços pequenos. Em 2001, o Black Eyed Peas protagonizou um comercial do refrigerante Dr. Pepper que fez will pensar: “Espera um segundo, me pagaram todo esse dinheiro pra fazer uma canção de 30 segundos, enquanto nós gravamos um CD de 2 horas e ainda sim ganhamos menos”. Nesse ano, a banda se reestruturou, decorrente da entrada de Fergie. Para o ano de 2003 a banda foi um sucesso no mercado. Sua turnê mundial de 2010, a The E.N.D World Tour rendeu mais de $ 105,7 milhões de dólares em vendas de entradas.

will.i.am tem talento para auto-promoção, apareceu como holograma na noite eleitoral para a presidência dos EUA em 2008 no canal CNN (Não viu isso? Clique aqui e veja!), emitiu online uma canção para o planeta Marte, em parceria com a NASA. “Nem tudo o que se diz é uma grande ideia”, admite o velho amigo e diretor de videoclipes (no qual já dirigiu vários clipes para o BEP) Ben Mor. Na verdade, a forma cinética do will deixa mais fácil destacar como é fazer arte em graça a arte. Esse entusiasmo infinito é o que os empresários dizem que consideram valioso. “Ele é ligado ao pulso da cultura pop como poucos no mundo”, diz Kent, da Coca-Cola.

Dean Kamen, inventor da empresa Segway, acredita que Will é “o verdadeiro negócio”. Os dois se tornaram amigos depois que Will enviou-o um e-mail em 2010. A dupla está trabalhando para desenvolver um centro de ciência robótica com questões voltadas aos jovens de Los Angeles. “O interesse do Will é verdadeiro e seu entendimento é profundo”, disse Kamen. “Se você tem esse modelo mental, esse estereótipo típico de que as pessoas no show business são superficiais. Uma vez que conheça esse lado, você percebe que não só acredita na tecnologia e que você já vai querer tomar conta dela e colocar tudo isso junto, para criar novos produtos para satisfazer necessidades reais de pessoas reais, e eu estou lhe dizendo, isso é o que ele vai fazer”. Na verdade, will.i.am não só iria trazer idéias e empurrá-los para o pessoal técnico, ele mesmo que quer decodificar o código. É por isso que ele entrará em cursos de ciência da computação na CalArts em Setembro.

Sentado em seu estúdio de Hollywood, will.i.am admite que a música já não é sua prioridade. Além disso, ele adora viajar, mas “Trabalhando com a Intel, em colaboração com a Coca-Cola, são as coisas que eu sempre sonhei”. Depois de tudo, Will explica que está tentando estabelecer seus próximos 20 anos de vida. “Não quero estar no palco aos 57 anos, falando ‘let’s get it started, ha'”, disse, referindo-se a uma das canções mais populares do Black Eyed Peas, “Let’s Get It Started“.

Então, lentamente no início, Will começa uma inquietação. Ele sente vertigem quando começa a colocar as possibilidades de futuros empreendimentos: filantropia peer-to-peer, microtransações, impressão 3D, a tecnologia aplicada nas roupas. “Ekocycle e o plástico em si podem ser os cartuchos de tinta”, diz ele, falando mais e mais rápido agora. “E então você pode imprimir seus jeans!”, ele exclama. “Isso, para mim, é o futuro”.

Reportagem de: Daniel Roberts, Fortune Maganize
Adaptado por: Gabriel Santana, PortalBEP.com

A revista será lançada dia 14 de Janeiro, e você já pode conferir a capa (clique para ver em tamanho maior):

Autor do Post
Gabriel

Deixe seu Comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga no Instagram

Let's Get It Started, AGAIN!