Coluna: Retrospectiva Black Eyed Peas – Das Raízes aos Frutos

Esse ano o BEP encerrou mais um capítulo de sua história, em Miami, onde fizeram um belo show que antecede, provavelmente, a maior pausa da banda nestes 16 anos de história. História que eu tentarei resumir aqui nesse especial de fim de ano do PortalBEP.

Começo contando a história do BEP, alguns anos antes de 1995 e bem longe de Los Angeles, aonde a banda foi criada, começo a história nas Filipinas, onde o então Allan Pineda foi criado pela sua mãe e avós. Mas para que tudo faça sentido, queria lembrá-los que, no ano passado, nos foi revelado que apl.de.ap é portador de uma doença rara nos olhos, o nistagmo. Todos nós ficamos muitos surpresos e até apreensivos com a notícia, no entanto, se Apl não tivesse essa doença, eu provavelmente não estaria escrevendo essa coluna, vocês não estariam lendo e o BEP não existiria.

A mãe do Apl inscreveu todos seus filhos em um programa assistencialista da fundação Pearl S. Buck, nessa instituição, famílias americanas viravam padrinhos de crianças das Filipinas e as ajudavam com materiais escolares e coisas do tipo. E tudo que as crianças tinham que fazer em troca era mandar uma carta agradecendo aos seus “padrinhos”. Em uma das cartas, Apl contou para seu padrinho, Joe Ben Hudgens (segundo o Apl, o cara mais legal que ele já conheceu), que não conseguia enxergar a lousa na escola. Ao ler a carta, Joe insistiu que Apl fosse para os Estados Unidos para que oftalmologistas de lá examinassem seus olhos. Assim, deu-se inicio ao processo de adoção do Apl, um filipino de 14 anos de idade, vivendo nos EUA, sem ninguém da sua família, e pelo fato de seus pais adotivos trabalharem a semana toda, ele teria que ficar na casa de uma conhecida da família deles, mãe de William Adams, um menino tímido que vivia nos subúrbios de Los Angeles. Imediatamente, Allan e William, criaram uma amizade fortíssima, e juntos descobriram o sonho de mudar o mundo com hip-hop e breakdance, sonho que hoje apl.de.ap e will.i.am, já realizaram.

Allan não falava inglês muito bem e passou a maior parte da infância e adolescência com William, que, por viver em um bairro perigoso, era proibido de sair de casa por sua mãe. No primeiro encontro dos dois, Will perguntou o que Allan gostava de fazer e ele respondeu que gostava de dançar. Eles podiam até não falar fluentemente a mesma língua, mas na dança eles se entendiam, tanto que formaram o Tribal Nation, grupo de breakdancing que se apresentava em algumas festas pelo sul da Califórnia, mas com o passar do tempo, apenas dançar não era mais o suficiente.

Em 1992, Apl.de.ap, Will 1X, DJ Motiv8, MookieMook e Dante Santiago, tiveram sua primeira música lançada, na verdade, foi uma participação na faixa MerryMuthaphuckkin’ Xmas do EP 5150 – Home 4 tha’ Sick, do Eazy-E, música na qual eles cantavam “Merry Muthafuckin’ Christmas and have a fucked up new year”. Sinto que poderia cometer alguma injustiça ao traduzir isso, mas a música é uma critica a todo o clima natalino, uma época em que todos dizem estar mais caridosos, mas que quando não se tem dinheiro, acaba-se tendo uma visão totalmente diferente.

Enfim, primeira gravação oficial lançada, um contrato com a gravadora do Eazy-E e mais tarde, Puddles of H2O, o primeiro single da banda foi lançado e o CD estava pronto para ser lançado em 1995, porém, com a morte do Eazy-E, a gravadora faliu e levou com ela o Grass Roots, primeiro, único e não lançado (hoje em dia disponível na internet) CD do Atban Klann. Além do cancelamento do CD, eles tiveram que lidar com a saída de Mookie Mook da banda, que decidiu seguir o caminho do gangsta rap.

Nem com esse balde de água fria, Will e apl desistiram, chamaram outro amigo de escola deles, Taboo (Jaime Gomez), para se juntar ao grupo em 1995. Abandonaram o nome Atban Klann e começaram a se apresentar como Black Eyed Peas. Tudo teria que começar do zero, eles eram três amigos que não tinham gravadora e nem dinheiro para gravar um disco, a única coisa que eles tinham era o sonho de espalhar uma mensagem pacífica em uma época em que o gangsta rap, tomava conta dos Estados Unidos. E justamente esse estilo diferente dos BEP, chamou atenção de empresários da Interscope Records, que resolveram assinar um contrato com eles. Os mesmos empresários que assinaram com os Peas, eram vizinhos de uma cantora independente que eles achavam que combinava bastante com a banda. E, em um evento realizado pela mesma, apresentaram Kim Hill aos rapazes, e de cara houve uma identificação musical fortíssima, principalmente entre Kim e Will.

Aqui começa, de verdade, a carreira do Black Eyed Peas, em 30 de Junho é lançado o Behind the Front, o primeiro álbum da banda. O álbum foi exatamente o que a gravadora procurava, um estilo de batida que batia de frente com o gangsta hip-hop que tomava conta das paradas musicais naquela época. Enquanto rappers como o B.I.G. faziam sucesso cantando coisas do tipo “Foda-se o mundo, minha mãe e minha esposa / Minha vida está mais ultrapassada que o Jheri Curl, estou pronto para morrer” veio essa banda, com um Filipino, um descendente de latinos, um cara de LA e uma garota de NYC cantando: “Nós queremos todo o mundo, nenhuma segregação, conquistamos do negro ao asiático e o caucasiano”, essa originalidade não só nas letras, mas também no jeito de se vestir, de se apresentar e no ritmo das músicas, fez com que o BEP conquistasse algo que nunca mais conseguiu conquistar, aclamação critica. E eles acabaram se tornando bastante conhecidos na região de Los Angeles, mas só.

Outra coisa que diferenciava o BEP de outros grupos de hip-hop era a presença de uma banda de instrumentistas no palco, naquela época, a maioria dos rappers se apresentava apenas com um DJ. Já o BEP por tocar, na época, com a Beat Farmacy, formada por Terrence Yoshiaka, Michael Frantantuno, Printz Board e George Pajon, os últimos dois, tocam com os Peas até os dias de hoje, os Peas tiveram a oportunidade de abrir shows para bandas como Blink 182, Lit e No Doubt. Eles tiveram a oportunidade de tocar em arenas ao invés de boates, como a maioria dos rappers da época fazia.

Para uma banda que queria conquistar o mundo todo sem excluir ninguém, isso era pouco, e aí entra em jogo o segundo CD da banda, Bridging the Gap, no qual traz para o BEP um modesto sucesso mundial, mas que também traz a primeira, e até o momento, maior crise que a banda já enfrentou.

Alguns pontos precisam ser levados em consideração nesse momento: O sucesso do BEP estava crescendo ao ponto de levá-los para tocar como bandas secundárias, em festivais pelo mundo. Taboo tinha um filho de 7 anos nessa época, embora o sucesso tivesse crescido, as turnês dos Peas não tinham estrutura para receber uma criança naquela época, o que acabou distanciando o Taboo do filho. A banda continuou sendo aclamada pela crítica, mas a gravadora queria mais sucesso e começou a pressionar os meninos para que tornasse a banda mais comercial, e segundo a gravadora, o único jeito de isso acontecer era se eles aproveitassem mais sensualmente a imagem feminina da banda, fato que Kim Hill, não gostou nenhum pouco. Segundo Kim, em entrevista ao PortalBEP há alguns meses, a pressão da gravadora para “sexualizar” a banda, o descumprimento da distribuição financeira e principalmente, a decepção que tivera com Will (que o tinha como um irmão mais novo), que não defendeu o estilo antigo do Black Eyed Peas, foram os motivos que a levaram a deixar a banda dezembro de 2000.

Os Peas ainda fizeram uma turnê durante o ano de 2001, tocaram em grandes festivais Europeus e Australianos, mesmo sem Kim. Começaram a produzir seu terceiro álbum, com ainda mais pressão da gravadora, que via em sensualizar Kim o jeito mais simples de fazer a banda alcançar o sucesso, e agora eles não a tinham. No final de 2001, eles compuseram uma música inspirados nos atentados de 11 de Setembro, música que os levariam ao reconhecimento e ao sucesso mundial. Mas ela não estava gravada ainda, a banda não estava completa ainda.

Nos links a seguir, vocês conferem algumas apresentações dos Peas daquela epoca:
Karma ao vivo
Trechos de um show do BEP no A House of Blues
Trechos de um show dos Peas, em local não identificado
Weekends no Farmclub em 2000

Por hoje é só, na próxima semana, vocês lerão sobre a música que tornou o BEP famoso pelo mundo todo, como eles tomaram a decisão de contratar a Fergie e sobre os motivos que os levaram a decidir fazer uma pausa, por tempo indeterminado, na carreira da banda.

Um ótimo Natal a todos vocês, em nome de toda a equipe do PortalBEP.

Autor do Post
César

Comentários

11 Comentários
  1. postado por
    Jakeline
    dez 25, 2011

    aawn, que lindo

  2. postado por
    DeividBep
    dez 25, 2011

    essa matéria ficou muito irada, já estou esperando ansioso pro próximo post

  3. postado por
    Caio Freire
    dez 25, 2011

    Caraca César me emcionei aqui e vc sabe o que sinto em relação as raízes do Peas e tipo meu essa coluna DEFINE é a amtéria definitiva sobre o Black Eyed Peas. Parabéns César e a toda equipe do PortalBEP também a todos que ajudaram de alguma forma concluir ou enriquecer essa matéria LOL Black Eyed Peas Til The Infinity

    Peas And Luv Guys

  4. postado por
    Thay.
    dez 25, 2011

    Parabéns. Ficou muito bom. 😉

  5. postado por
    Vinícius Pereira
    dez 25, 2011

    Não sei se é por egoísmo meu, já que a banda se popularizou muito com a entrada da Fergie, mas eu particularmente prefiro o Black Eyed Peas Old School, mais underground 🙂
    As letras eram melhores, as batidas eram melhores, tínhamos as impecáveis performances ao vivo sempre acompanhadas de dança, tínhamos Kim Hill ^^, era algo que vinha lá de dentro mesmo.
    Faz uma falta danada! s2

  6. postado por
    Bruno Fonseca
    dez 26, 2011

    quem n conhece a historia toda nem imagina…pensa q tudo é modinha, n conhece a msg!!
    é “where is the love?” né, a musica? foi ela q me fez um peabody, faz bem uns 10 anos eu acho!!
    dá saudade da batida daquela epoca
    bela materia

  7. postado por
    Marcus Vinícius da Silva
    dez 26, 2011

    Ficou demais ‘o’

  8. postado por
    HANEY CO$T`N
    dez 27, 2011

    q emocionante + eu to curiosa pra ver a entrada da fergie hihihi!!!!!!!!

  9. postado por
    Gabriela Lucy
    dez 27, 2011

    Obrigado Apl.de.ap!Por fazer o BEP existir

  10. postado por
    Italow Pineda
    dez 27, 2011

    Elles Saun mto fodaH’
    Ha! Eu já Os Ví 
    -NAum me canso de expor isso

  11. postado por
    Thais Galdino
    jan 20, 2012

    gente merece um livro!!!!
    amo vcs bep

Deixe seu Comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga no Instagram

Let's Get It Started, AGAIN!