Black Eyed Peas na Delta Sky Magazine

Na edição de fevereiro da revista americana Delta Sky, saiu uma grande entrevista do Black Eyed Peas. Confira a matéria completa logo abaixo:

Desde o início, o domínio cultural do Black Eyed Peas era inevitável. Eles pareciam tão humildes no começo, os garotos de Los Angeles, com uma mochila nas costas, e um rap que agradava de asiáticos a causianos, feito para a massa, sem divisões. Então, eles lançaram Elephunk, cheio de músicas que se tornariam slogans da NBA, e irresistíveis singles da Pepsi – E quem era aquela mais nova gata do pedaço?

Nós rapidamente percebemos que eles estavam colocando sua visão do mundo em ação. E todo o mundo estava embarcando nessa, porque eles estavam forçando o mundo a isso.

Nós não tínhamos poder algum diante daquele swing universal. Alguns tinham receio dos novos “patrões” do Hip-Hop, mas ninguém conseguia realmente resistir. Até Alanis Morissette, ressurgindo em uma lacrimosa paródia de My Humps no youtube, que se mostrava conformada em gostar dos Peas. Os Peas acharam a paródia engraçada, e estavam no direito deles. Mas no fato, Alanis estava apenas fazendo piadas com suas próprias curvas, tanto quando fez piadas com as de Fergie.

E quando os Peas lançaram o misteriosamente intitulado The E.N.D., nós perguntamos o que o nome do álbum significava – Até que ouvimos “Boom Boom Pow” e decidimos: “Oh, yeah, isso é como sair de um estado de êxtase e Will.i.am está nos levando para um futuro onde todo mundo dança um Black Eyed Peas sem sentido e com batidas loucas”. Sim, nós podemos. Nós precisamos. Nós não temos escolha.

E enquanto o BEP viajava ao redor do mundo em turnê, Will e Apl agiam como DJs, indo para boates, de Ibiza para Tóquio e Rio, e descobrindo e gravando e depois remixando exatamente o que fazia as pessoas se mexerem.

Agora os Peas acabaram de lançar o sucessor do The E.N.D., diretamente chamados de “The Beginning”. Ele foi lançado como uma das coisas favoritas da Oprah, e inevitavelmente se tornou uma das nossas coisas favoritas também. Mais importante, eles tem retornado com as respostas para perguntas de anos e mais anos sobre o que faz o mundo se mexer: “Anos 80”! Especificamente as músicas de trilhas sonoras de filmes dos anos 80, como o dueto de Dirty Dancing ou o som de Pete Townshend para “Glass Houses“. Tudo isso, voltando para o futuro. Diz: Will.i.am.

WILL.I.AM

The Beginning é um álbum tão grudento. Cada musica tem uma frase que se repete varia vezes, é hipnótico.

É assim que eu faço música. Eu escuto as pessoas conversando. Ou uma amiga me manda um sms com: XOXOXO. Caramba, tenho que transformar isso em uma música! Eu escuto o mundo. Eu ouço as pessoas conversando, com outras pessoas da sala, e aí eu anoto as coisas que eu quero transformar em música. Escuto o jeito que as pessoas falam as coisas, depois escrevo uma melodia para deixar as palavras do jeito que as pessoas dizem tipo: “That’s crazy”. Whoa! Aí eu penso em fazer uma música chamada That’s crazy, e a melodia tem que ser de acordo com a pronuncia das pessoas, por que aí sai naturalmente da sua boca, sai do jeito que você falaria a frase, se não estivesse cantando.

Vários poetas e compositores estão tentando dizer algo que nunca foi dito por ninguém.

“não, não, não. Não existe nada que já não tenha sido dito, tudo já foi dito. Tudo que você dissr alguém já disse antes, o negocio é ‘como você diz’.”

Você concorda com o livro de Eclesiastes, então: Não há nada novo sob o sol.

Não há nada de novo sob o sol: Tuna tartare, por exemplo, é só um peixe com um pouco de soja, molho e limão, e se você gostar pode colocar algumas uvas passas. E é isso: é a mistura que importa. Outro exemplo é a manteiga de amendoim e geleia, hoje em dia, todo mundo quer manteiga de amendoim e geleia, mas há vários anos atrás, se alguém dissesse que queria misturar alguns amendoins moídos com uvas passas, você pensaria “Que coisa mais nojenta”.

Ou as pessoas que começaram a beber leite.

“Não, a metáfora é queijo – por que queijo é leite velho. Tipo, ‘Cara, esse leite está aí há mais de um mês’ ‘Cara, fica calmo, eu estou fazendo queijo. ’ ‘Mas o que é queijo? ’ ‘Prova um pouco’ ‘mmm, queijo é bom’ ‘Porque não coloca numa pizza? ’ ‘O que é pizza? ’ ‘Sei lá, joga uns tomates aí no meio’ ‘Tomates e leite velho? ’ ‘Prove’ ‘É gostoso’. É isso que música é.”

Então, o remix Dirty Dancing é leite velho com tomates?

“Exatamente, é pizza”

APL.DE.AP

Há quanto tempo você conhece o Will?

“Desde 1989, ele foi a primeira pessoa que eu conheci depois que eu saí das Filipinas, e vim pros EUA. Meu pai adotivo precisava de uma babá para ficar comigo durante a semana, e meu pai era colega de quarto do tio do Will, e o tio do Will indicou a mãe dele para ser minha babá, e aí nos tornamos melhores amigos.”

Quantos anos vocês tinham?

Tínhamos 14 anos, e eu tinha acabado de vir das Filipinas, eu não era fluente em inglês, e a primeira coisa que ele perguntou foi “Você é das Filipinas? O que as pessoas fazem lá?” e eu disse “Eu vou pra fazenda do meu avô, e eu me lembro de ter nascido numa cidade sem eletricidade, aí eu me mudei para ir pra escola, e foi aí que eu conheci o break dancing”

E eu comecei a fazer o Running Man (passo de dança) e ele começou a rir de mim “Vocês fazem o running man nas filipinas?”

Parece-me que vocês se davam muito bem aos 14 anos.

Sim, a sincronia que nós tínhamos em relação a tudo era incrível, eu era um B-boy e ele um rapper e também B-boy, aí tudo se encaixou, saiamos juntos todos os dias. Ele morava no gueto – com varias gangues, e por isso, a mãe dele não deixava sair muito, mas depois que ele me conheceu, ela ficou mais tranqüila e ele costumava ir a minha casa para praticar break dancing todos os dias. Eu lembro que eu o levei a uma de suas primeiras festas, em Glendale. A gente costumava ir a festas Filipinas, e fazíamos batalhas de rap e break dancing com outros caras. E tudo evoluiu a partir daí.

TABOO

O som de vocês mudou muito do rap alternativo que vocês começaram.

As BPM’s (batidas por minuto) estão mais rápidas, mas continua música para festas. Nós já fazíamos músicas para dançar, só que era mais pro lado do Jazz, misturado com bossa nova, e hip hop. Agora, com o will e o apl virando DJ, e eles estão apaixonados por boates, a música ficou mais electro.

E você, do que gosta?

Eu sou apaixonado pelo hip hop, cara. Eu amo hip hop, soul e R&B. Eu nunca esqueço o amor que eu tenho, pelo jeito que comecei minha carreira. Eu sou um B-Boy e não um DJ.

Como o seu rap mudou?

Meu papel no grupo nunca foi ser um grande compositor, eu nunca quis isso, meu forte é o palco. Quando chega a hora de entrar na quadra, metaforicamente falando, sou eu quem rouba a bola dos adversários, driblá-los e marcar quantos pontos forem necessários.

Então você é o Ron Artest do BEP? (jogador de basquete)

Não, eu prefiro me ver como o James Worthy do BEP, eu adorava o time dele, por que o Kareem e o Magic eram as estrelas do time, mas eles recorriam ao James Worthy sempre que precisavam. É assim que eu vejo o Black Eyed Peas, somos todos estrelas não nego, e nós temos nosso Kareem e nosso Magic, mas eu amo meu papel.

FERGIE

Antes de você entrar no grupo, você era uma fã, que assistia show deles na El Ray e na The House of Blues em LA.

Eu adorava a mistura que eles faziam, adorava como eles eram abstratos, não só no jeito de dançar, mas também no jeito de se vestir que fazia meio que um movimento que evoluía da música. Tipo, esses dois últimos CDs são uma homenagem aos DJs e a tecnologia, e todo esse movimento, foi pra isso que esse álbum foi planejado, pra você ouvir logo antes de ir pra balada.

As músicas deles tem uma vibe de yoga.

Elas são cânticos, você percebeu bem. Em algumas letras acaba sendo um pouco mais pessoal, por exemplo, Whenever e The Situation foram umas misturas de Missing Persons, com Robert Plant e Cindy Lauper, eu me inspiro em varias pessoas quando eu canto, canções diferentes precisam de personagens diferentes, eu interpreto personagens o tempo todo, eu cresci fazendo musicais, estou acostumada a fazer isso.

Você esta casada e o Taboo já têm filhos, mas o Will e o Apl estão em boates o tempo todo.

Eles vão pra baladas todos os dias, literalmente. Durante a turnê, eu saia em média uma vez por semana, o que é suficiente pra mim. Eu tenho que malhar e fazer as unhas… o Taboo vai pra balada também, só não fica até tão tarde quanto eles. Eu adoro balada, não me entenda mal, eu e o Taboo vamos lá pra agitar as pessoas, e eu amo fazer isso, na verdade com eles se tornando DJs – Apl e Will – eu acabei me favorecendo, pois antes sempre me colocavam em alguma área vip longe de toda animação, e agora eu estou no meio de tudo, interagindo com as pessoas que são hoje, o que eu costumava ser, eu já fui àquela garota dançando perto da cabine do DJ e pedindo músicas.

As músicas que você gravou para o seu álbum solo são mais pessoais, falando da sua história, do que as que você faz com os Peas.

Eu não uso a mesma formula para gravar um álbum solo que eu uso para gravar um álbum do BEP, pois o jeito que eu escrevo sobre minha vida pessoal, não dá para ser usada num álbum dos Peas. Eu acredito, que as maiorias das músicas dos Peas são feitas na base da brincadeira, e se as pessoas não percebem isso, elas simplesmente não entendem o BEP. Tipo, as pessoas realmente acham que eu to falando serio quando canto ‘My Humps’? Não, eu espero que não.

APL.DE.AP

Vocês começaram como um grupo alternativo e hoje estão no mainstream. Como vocês deixaram de ser o grupo que eram e ser tornaram o grupo mais comercial de todos os tempos?
Eu sou de um país de um terceiro mundo, e o will é do gueto, nós não queríamos acabar entrando em gangues, por que vários Filipinos acabam indo pra gangues, eu pensava assim, ‘eu fui adotado para fazer algo bom com a minha vida, e não sair atirando em pessoas.’ E a indústria musical estava mudando, discos não estão sendo vendidos como eram antigamente. Não usamos mais a gravadora pra divulgar nossas músicas, nós usamos um produto que complemente nosso estilo de vida, e não um produto qualquer.

Qual foi o primeiro produto que você escolheu?
Antigamente, todos os artistas do hip hop, faziam comerciais pro Mountain Dew, e a gente pensava “já que todos estão fazendo comerciais pro Mountain Dew, por que não fazermos pro Dr Pepper?”

WILL.I.AM

O que acabou já que agora é o começo?
“A Era”

Quanto tempo durou a ultima era?
A ultima era durou até as torres gemeas da indústria musical caíram – e as torres eram a Tower Records, e a Virgin Megastore. Acabou quando o conceito de distribuição mudou permanentemente; quando eu me tornei capaz de fazer uma batida e mandar pra oito pessoas, e essas pessoas conquistarem cinco continentes, centenas de milhares de pessoas em um dia. Hoje, eu consigo fazer uma batida 2 minutos antes de subir no palco, e não terei que mudar nada nela para ganhar aprovação de ninguém, ou fazer qualquer outra coisa que acontecia na ultima era. É a conexão entre mim e as pessoas que querem dançar. Isso é o que acontece hoje em dia.

O fim de um paradigma deixa vários artistas e empresários preocupados.
“Não assusta artistas de verdade, faz com que pessoas que só cantam fiquem assustadas, eu não sou só um canto. Essas pessoas que só cantam? ‘O que eu faço? ’ ‘Ah, eu sou um cantor, e eu tenho um empresário que consegue músicas pra mim. Eu não consigo nem escrevê-las, eu não faço nem minhas coreografias – mas eu sei dançar.” Esses artistas?”

Esqueça-se deles, eles é a razão da indústria musical estar do jeito que está – pois criamos artistas que precisam de ajuda, porque precisamos de pesos mortos? Você quer pessoas que possam correr e pular sem ajuda de ninguém, pessoas que possam caçar sua própria comida, sem ajuda dos empresários.

imagebam.com imagebam.com

Autor do Post
PortalBEP

Comentários

15 Comentários
  1. postado por
    @Jeroaan
    fev 28, 2011

    adorei / The Time é pizza

  2. postado por
    @davilui123
    fev 28, 2011

    Eles são d++ … caraca! Otima máteria também ..

  3. postado por
    m2e
    fev 28, 2011

    o jeito como o will ve as coisas eh simplesmente incrivel! ele é um genio dessa geração ele é tipo um beethoven do futuro

  4. postado por
    Tchello
    fev 28, 2011

    Adoro essas entrevistas…Will é um Genio!

  5. postado por
    @vick_bep
    fev 28, 2011

    agora quando for comer pizza de muzzarella vou lembrar de The Time

  6. postado por
    @jacke_bep
    mar 1, 2011

    Adorei a entrevista.
    e o Will sempre tem as melhores respostas

  7. postado por
    Andresa Larissa
    mar 1, 2011

    Adorei essa entrevista eles são de mais!!:-)

  8. postado por
    @bielsantanaa
    mar 1, 2011

    Que entrevista maneeeira! Uma das melhores para revistas! 😀

  9. postado por
    Lee300
    mar 1, 2011

    po d+
    adoro o jeito hulmide arrogante deles ver o futuro musical

  10. postado por
    Andressa
    mar 1, 2011

    mt boa a entrevista 🙂

  11. postado por
    Antônio
    mar 1, 2011

    Adoro essas entrevistas onde o Will tem espaço e fala bastante sobre o modo como ele vê as coisas, e quando ele ensina como alcançar o sucesso. Ele é um gênio! “Tudo já foi dito. O importante não é o que você diz, e sim como diz”. Isso é uma verdade, palavra de gênio. Ele sabe o que fala. Você pode fazer a mesma coisa que já fizeram, o importante é a maneira que vai fazer isso.

  12. postado por
    Stefanie
    mar 1, 2011

    Meudeus, Will! De onde você tira essas metáforas? Haha mas fazem muito sentido! GÊNIO! (engraçado imaginar o Will e o Apl se conhecendo com 14 anos *-*) Muito boa essa entrevista! Fico triste pq essas coisas só tem lá nos Esteites.. Eu quero!

  13. postado por
    tiago
    mar 1, 2011

    Queria muito essa revista q entrevista foda d+ 🙂 BEP orgulho indiscutivel s2 LOVE BEP

  14. postado por
    ullyciana jéssica
    mar 2, 2011

    amei bep e de mais , minha vida , Eles falam tao bonito ne gente ? kkkk ou eu que sou boba de mais ? kkkkkkkkkkk gente me segue no twitter ? http://twitter.com/#!/Ullyciana
    tanks 🙂

  15. postado por
    ArthurSC
    mar 2, 2011

    super maneiraaaa a matéria, gostei principalmente da parte em que a Fergie menciona sobre a parte em que colocavam ela nos camarotes longe de tudo e ela largou e foi curtir com todo o ” pessoal ” isso sim é legal !!!!

Deixe seu Comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga no Instagram

Let's Get It Started, AGAIN!